NOTÍCIAS
OLIVEIRAS oferece capoeira como auxílio no tratamento ao dependente químico

OLIVEIRAS oferece capoeira como auxílio no tratamento ao dependente químico

OLIVEIRAS oferece capoeira como auxílio no tratamento ao dependente químico

Inserir hábitos saudáveis na vida do dependente químico é uma das maneiras de auxiliá-lo no tratamento contra o vício, e o Centro Terapêutico Oliveiras oferece essa possibilidade, inclusive por meio de atividades esportivas, como a capoeira. O grupo atua de forma pioneira em Mongaguá, com o objetivo de reinserir o dependente químico na sociedade.

As aulas de capoeira ocorrem às Terças e Quintas, sob o comando do Fabio Gatti Lopes “Binho Capoeira”  (Monitor) e Caio Martins (Formado), sob supervisão do Mestre Pressinha do Centro Cultural de Capoeira PÉ NA LUA, uma das entidades parceiras do OLIVEIRAS. A exemplo das demais ações do grupo, tudo ocorre na sede que fica na Avenida São Paulo, 3500 – Balneário Umurama – Mongaguá/SP

“Muitas vezes o atleta é visto como herói e pode servir de inspiração para muita gente, seja quem quer mudar de vida, pois está no meio das drogas, ou como ação preventiva. Quando conheci a proposta do OLIVEIRAS e recebi o convite de ser um colaborador, não pensei duas vezes. O objetivo é dar esperança para as pessoas, para que tenham um futuro melhor”, explica Fabio Gatti Lopes “Binho Capoeira” (Monitor) e Caio Martins (Formado).

As aulas são voltadas aos dependentes químicos em tratamento, ligados ao OLIVEIRAS. “Isso favorece a inclusão social, a convivência e a aceitação. Nesse sentido, a participação da família é imprescindível em todas as ações no tratamento ao dependente químico”, complementa Fabio Gatti Lopes “Binho Capoeira” (Monitor) e Caio Martins (Formado), sob supervisão do Mestre Pressinha, que está à frente do OLIVEIRAS.

A Organização Mundial de Saúde reconhece a dependência química como doença, porque há alteração da estrutura e no funcionamento normal da pessoa, sendo-lhe prejudicial. Não tem causa única, mas é produto de uma série de fatores (físicos, emocionais, psíquicos e sociais) que atuam ao mesmo tempo, sendo que às vezes, uns são mais predominantes naquela pessoa específica, do que em outras. Atinge o ser humano nas suas três dimensões básicas (biológica, psíquica e espiritual), e atualmente, é reconhecida como uma séria questão social, à medida que atinge o mundo inteiro, em todas as classes sociais. Sem o tratamento adequado, a dependência química tende a piorar cada vez mais com o passar do tempo, levando a pessoa a uma destruição gradativa de si mesma. Na vida de um adicto o mundo se encolhe de tal maneira que a droga passa a ter maior papel de destaque e importância, tornam-se em geral pessoas sedentárias, pois não conseguem conciliar o uso desenfreado da droga, com alguma atividade física regular. Sabe-se que a prática do exercício físico reduz a ansiedade, a percepção de esforço e aumenta o prazer, podendo, esse prazer e ansiedade que antes eram encontrados na droga serem encontrados na atividade física. Então, surge o interesse em identificar qual a influência da atividade física no tratamento de dependentes químicos. A prática da capoeira como esporte é comprovadamente um instrumento eficaz para tornar o jovem em um cidadão. É por meio de atividades esportivas que possibilita a revelação de talentos que se destacam nas diversas modalidades, elevando positivamente o nome do País e produzindo atletas vencedores. Neste contexto, projetam-se cidadãos bem-sucedidos, afastando-os das drogas e da marginalidade, sobretudo nas comunidades mais carentes. A capoeira é considerada uma prática completa, pois mistura a atividade física em si com a improvisação, noções de espaço, tempo, música, além da compreensão da filosofia de jogo. Os movimentos da capoeira mexem com todos os músculos, desenvolvendo uma série de qualidades físicas, entre elas a resistência, flexibilidade, agilidade, velocidade, equilíbrio, coordenação e ritmo. No início da recuperação do adicto, a prática da capoeira deve ser introduzida de forma lenta e gradativa, para que possam acompanhar seu processo natural de desintoxicação e perda de obsessão pelas drogas. Ao perceber os resultados positivos na sua saúde e vida proporcionados pelo exercício físico, o seu eu interior se fortalece e sua autoconfiança aumenta, revelando-se, também, um resgate da autoestima, que se encontrava apagada pelo uso das drogas, auxiliando no processo de ressocialização, além de proporcionar um melhor condicionamento físico e mental.